Primeiras Impressões | Dez coisas que aprendi sobre o amor, de Sarah Butler - Cantinho da Leitura

Primeiras Impressões | Dez coisas que aprendi sobre o amor, de Sarah Butler

8.8.15


Resenhar uma prévia quase sempre é complicado, é muito difícil dizer sobre uma introdução, mas somos blogueiros e estamos a disposição para qualquer tipo de desafio, o fato de ser leitor a muito tempo ajuda muito a desvendar até mesmo uma frase incompleta, imagine uma introdução de um livro de aproximadamente 200 páginas.  Então, vamos conferir .. 


Por quase 30 anos, quando a brisa de Londres torna-se mais quente, Daniel caminha pelas margens do Tâmisa e senta-se em um banco. Entre as mãos, tem uma folha de papel e um envelope em que escreve apenas um nome, sempre o mesmo. Ele lista também algumas coisas: os desejos e o que gostaria de falar para sua filha, que ele nunca conheceu. Alice tem 30 anos e sente-se mais feliz longe de casa, sob um céu estrelado, rodeada pela imensidão do horizonte, em vez de segura entre quatro paredes. Londres está cheia de memórias de sua mãe que se fora muito cedo, deixando-a com uma família que ela não parece fazer parte. Agora, Alice está de volta porque seu pai está morrendo. Ela só pode dar-lhe um último adeus. Alice e Daniel parecem não ter nada em comum, exceto o amor pelas estrelas, cores e mirtilos. Mas, acima de tudo, o hábito de fazer listas de dez coisas que os tornam tristes ou felizes. O amor está em todas as partes desta história. Suas consequências também. Sejam boas ou más. Até que ponto uma mentira pode ser melhor do que a verdade?


Editora: Novo Conceito| Páginas: 256 | Ano: 2015 | Adicione: Skoob


Fiquei muito feliz ao receber a prévia deste livro para fazer uma resenha da minha primeira impressão sobre o romance, não é a primeira vez que a Novo Conceito me prestigia. Mais uma vez agradeço ao Grupo Editorial da Novo Conceito por tratar os blogueiros com muito carinho, sem fazer distinção por não ser um blogueiro parceiro.

" Dez coisas que aprendi sobre o amor "  de Sarah Butler é um romance cujo a narração é intercalada  por dois personagens, sendo que o livro é escrito em primeira pessoa. 


Filha mais nova de três irmãs, Alice Tanner faz parte da tipica família londrina,  tendo tudo a seu alcance, porém após a morte precoce de sua mãe, ficou abalada profundamente. Acreditando que tenha sido o motivo do misterioso suicídio, desistiu de uma vida luxuosa para viajar pelo o mundo, retornando ao lar - onde passou sua adolescência - após receber a noticia que seu pai está muito doente. Apesar de ter passado muito tempo longe da família se sente muito abalada com a condição em que encontra seu pai - Um senhor de idade franzino e debilitado. 

Alice é o tipo de pessoa que sente que não se encaixa em nenhum lugar, e essa sensação se agravou quando sua mãe faleceu, por essas razões entre outras viaja para manter distancia da família, evitando o máximo criar vínculos. Vivendo como nômade se sente feliz, ou pelo menos sente um sentimento que se assemelha á felicidade, e como não cria vínculos,  sempre esta se mudando de um lugar para o outro, não sente nenhuma cobrança podendo se deslocar pelo o mundo sem se sentir perdida. 

Daniel é um senhor de quase sessenta anos, teve seus sonhos frustados ainda muito jovem e isso o levou as ruas de Londres.  Vagando por lugares que o lembre um antigo e intenso amor ele recorda dos melhores momentos de uma vida que parece se perder a cada dia que se passa, e faz de tudo para não se esquecer de sua própria história, sempre escrevendo detalhes importantes para que não sejam esquecidos.


" Sou um velho de coração meloso, não há outra maneira de descrever. E a verdade é que me sinto mais em casa aqui - à beira do rio, onde há lama e confusão - do que nos quarteirões como o do Tube, com suas telas reluzentes e seus seguranças. - Pag. 06


Como dito na sinopse: " Alice e Daniel não parece ter nada em comum, além do amor por estrelas, cores e mirtilos " mas também possuem uma estranha mania de fazerem listas, sendo sempre uma listagem de 10 coisas entre assuntos diversos sobre suas vidas, seja sentimentos, emoções ou coisas importantes sobre alguém em específico. 


Um amor, uma noite, um segredo. 

Será esse segredo a causa para Alice se sentir deslocada, ou será esse o motivo por trás da morte de sua mãe? Será ele a salvação para esses personagens? 


O livro de estreia de Sarah Butler é considerado por alguns como uma “verdadeira homenagem a cidade de Londres” e até mesmo “poema em prosa sobre os laços de afeto”. O livro foi indicado pela Oprah Winfrey e a escritora Vanessa Diffenbaugh, do livro A Linguagem das Flores , fala que o livro é essencial para aqueles que “se perguntam onde eles pertencem e a quem pertencem”.


Não perca a oportunidade de saber a real história de "Dez coisas que aprendi sobre o amor",de Sarah Butler (Lançamento previsto para Setembro) e principalmente leia para relembrar o sentido do amor, ou mesmo para conhecê-lo. 




Durante essas 20 páginas fui apresentada a algumas das listas que cuidadosamente os personagens escrevem e como entrei no clima fiz a minha própria lista. Mas, desta vez eu peguei a ideia do título em sugestão da Editora Novo Conceito. 

Primeiramente esclareço que amei duas pessoa na vida e sou muita nova - 19 anos - mas creio que aprendi muitas coisas sobre o amor, e pode até ser que sejam ingênuas e não sejam de fato sobre o amor literário que é tão bem descrito e sim sentimentos intensos porém passageiros. 

  1. É o bem estar
  2. É lindo
  3. É intenso 
  4. É humildade
  5. É felicidade
  6. É passageiro
  7. É cego
  8. É ilusório
  9. É doloroso
  10. É saudade

O amor é uma mescla de sentimentos bons e sentimentos ruin, e se eu parar para dizer o que é o amor de fato, ou o que eu aprendi com ele, sinceramente eu não saberia descrevê-lo em palavras.


" Uma vez que tenha me apaixonado, acho quase impossível me desapaixonar, aprendi sobre mim mesma. Não é algo que torne a vida mais fácil " - Pag.  07

Você também pode gostar

0 (Comentários Desativados)

PARCEIROS 2016

PUBLICIDADE